sábado, 28 de fevereiro de 2009

CONGRESSO DO PS

"Se não houvesse medo, um qualquer destes destacados militantes socialistas que periodicamente nos avisa do grave perigo que atravessa a sociedade portuguesa teria tido a coragem suficiente para abandonar a sua zona de conforto e enfrentar José Sócrates".

João Marcelino, "Diário de Notícias", 21-02-2009

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

SALVA-VIDAS GAY

video

Com todo o respeito pelos verdadeiros gay's...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

OBRIGADO SÓCRATES

Mais uma vez o senhor presidente do conselho de ministros deixou sem resposta muitas das perguntas que lhe foram formuladas no debate de hoje na Assembleia da República. Quase falou mais do desemprego em 2003 do que em 2009...

Pudera! Que explicação poderia ter ele para que no passado mês de Janeiro se tivessem inscrito mais 70.000 trabalhadores no Instituto de Emprego?

E que poderia dizer dos 38% de desempregados, mais de 162.000 (registados – fora os outros) que não têm qualquer apoio do Estado?

E que justificação terá para o quadro abaixo em que de acordo com a União Europeia, é considerado pobre aquele que ganha 60% do salário médio do seu país? Como em Portugal a média de ordenados é de 645€ (129.311$), o nosso limiar de pobreza é o mais baixo da EU.

CENSURA

Como se já não bastasse a pressão e a censura encapotada à comunicação social que o governo vem exercendo, agora também os tribunais dão o ar da sua graça em acções perfeitamente ridículas mas que não deixam de ser preocupantes.
Cuidado! Eles andam por aí.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

HAJA ALEGRIA - É CARNAVAL

Por um dia esqueçamo-nos do aldrabão que anda todo o ano mascarado de engenheiro.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

A MINHA ALEGRE CASINHA

O apartamento com 183 metros quadrados de José Sócrates em Lisboa, segundo consta da escritura notarial, foi adquirido pelo preço de 47 mil contos (235 mil euros). Dois anos antes desta venda, um apartamento idêntico com 175 metros quadrados no mesmo prédio (o 3º E) foi comprado por um emigrante português que estava isento do imposto de sisa por 70.200 contos (351 mil euros), ou seja, mais 50 por cento do que o valor declarado por Sócrates.

Pela compra do apartamento, que teve a escritura realizada em 1998, José Sócrates liquidou 4.700 contos de imposto de sisa (10 por cento do montante declarado na aquisição do apartamento). O emigrante, se não estivesse isento desse imposto, teria sido obrigado a pagar 7.020 contos, face à quantia que consta na escritura.

Este empresário, que vive desde os 11 anos em Paris, adquiriu a sua habitação num ano de recessão, o que "conteve" os preços comerciais. A partir de 1995 iniciou-se a recuperação do mercado imobiliário, que em Portugal sofreu um impulso positivo em consequência da preparação da entrada para o Euro e da baixa das taxas de juro.

A discrepância de valores registada nas escrituras dos apartamentos do prédio da Rua Braancamp, próximo do Marquês de Pombal, não acontece apenas entre estas duas fracções.

Como se explicam estas diferenças nos preços declarados nas transacções?

A consulta dos valores patrimoniais atribuídos pelas Finanças para efeitos tributários (sobretudo para a incidência do Imposto Municipal sobre Imóveis) não permite encontrar uma relação entre o valor a que os apartamentos foram registados e a avaliação fiscal.

Na revisão dos valores patrimoniais efectuada em 2006 pelos serviços fiscais, o apartamento de Sócrates aparece como um dos mais valiosos do prédio: 303.354 euros, mais do que os 235 mil por que foi registado. Já o apartamento do emigrante, comprado por 351 mil euros, e o que foi adquirido pela empresa isenta de sisa por 375 mil euros, viu ser-lhe fixado um valor patrimonial inferior ao do apartamento do actual primeiro-ministro: 294.423 euros.

Este é também o valor de avaliação que as Finanças atribuíram ao apartamento que a mãe de José Sócrates comprou no mesmo prédio em Maio de 1998 por um valor declarado de 250 mil euros. A compra foi feita a uma sociedade offshore, a Stolberg, que o tinha adquirido três anos antes à Heron por um valor declarado de 280 mil euros. Ou seja, de acordo com as escrituras, a Stolberg, que está a ser investigada no âmbito do caso Freeport, perdeu 30 mil euros com a transacção desse imóvel numa altura em que os preços do imobiliário subiam sustentadamente em Portugal.

De acordo com os documentos arquivados nas conservatórias do registo predial e em notários, a generalidade das transacções foram feitas através da empresa offshore Heron International N.V., com sede nas Antilhas Holandesas.

Tudo isto faz parte da “campanha negra”. Negra pela falta de vergonha de quem ocupando altos cargos do Estado se serve das suas influências para obter favores para si e para os seus familiares directos.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

NOVOS SACOS

ESGOTADOS

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

WE ARE THE WORLD

video

Há quase 25 anos ainda havia esperança num mundo melhor.

Desde então para cá melhorou alguma coisa ?

MENOS DESEMPREGO?

A propaganda do governo destes três figurões tentou (e nalguns casos conseguiu) passar para a opinião pública que o desemprego baixou, quando em 2007 estavam contabilizados 338.600 inscritos e em 2008 a cifra se situou em 427.100.
Ou seja, passou-se de 8% em 2007 para 10% em 2008, mesmo que queiram negar as evidências e fazer-nos crer que criaram os tais milhares de empregos como habitualmente o Sr. Sócrates costuma apregoar quando tem uma televisão por perto.
Noutros tempos cortavam-se fitas para inaugurar obras com maior ou menor importância. Hoje nem fitas existem e obras muito menos. Só promessas por cumprir.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

AJUSTES DIRECTOS

Ficou a saber-se através do portal que publica os ajustes directos da Administração Pública, que a Câmara Municipal do Seixal tinha adquirido no passado mês de Janeiro serviços de consultoria na área de gestão do conhecimento no valor de 9.900 € a uma empresa denominada knowman - Consultadoria em Gestão Lda, com sede em Coimbra, cuja sócia-gerente se chama Ana Neves.
No site desta empresa pode ler-se que “O conhecimento é a base da actividade de qualquer organização: conhecimento sobre a sua área de acção, sobre os seus produtos e serviços, sobre os seus concorrentes, sobre os seus clientes, sobre projectos passados, etc..
Infelizmente, e apesar de existir, este conhecimento nem sempre está disponível quando necessário para informar tomadas de decisão. A gestão de conhecimento é a actividade organizacional que ajuda as organizações a atingir os seus objectivos através da gestão dos processos, da infra-estrutura e da cultura organizacionais que suportam os processos de conhecimento".

Também em Janeiro e com um valor um pouco mais elevado, a Câmara Municipal do Seixal necessitou de Consultoria Técnica na Área da Protecção Civil, recorrendo à empresa Ponto D’Observação – Unipessoal Lda, pela módica quantia de 28.355 €.

Na área da informática a Câmara Municipal do Seixal escolheu por ajuste directo a empresa El Corte Inglês, adquirindo 60 computadores pessoais, 50 monitores e licenciamentos de software no valor total de 49.514 €.

Desconhecendo-se para que serviram ou servem estas consultorias, já que certamente existirão muitos técnicos credenciados nos quadros da autarquia, muito menos se percebe qual o motivo que levou a Câmara a preterir as empresas do Concelho, recorrendo a uma empresa espanhola para adquirir material informático.

Se tudo isto não fosse tão evidente, até se poderia pensar que também no Seixal existiria alguma campanha negra para denegrir a imagem do Alfredo Monteiro.

Que dirão de tudo isto os autarcas com assento na Assembleia Municipal do Seixal?

SÓCRATES REELEITO

Num universo de 90.000 militantes socialistas, só cerca de 29.000 podiam votar por terem as quotas em dia. Ainda assim, houve quase 26.000 que votaram no candidato único à liderança do Partido.
Há que dar os parabéns ao senhor José Pinto de Sousa e aos seus correligionários por tão importante vitória.
Assim funciona esta democracia partidocrática e quem tem olho, em terra de cegos é rei.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

ESQUECIMENTOS...

O ex-ministro e conselheiro de Estado Manuel Dias Loureiro disse à Comissão de Inquérito ao caso BPN que nem sequer sabia que existia o Excellence Assets Fund - um veículo fundamental para uma compra ruinosa (prejuízo 38 milhões de dólares) de duas empresas tecnológicas em Porto Rico.
Porém, documentos revelados pelo Expresso demonstram que Dias Loureiro assinou dois contratos onde esse fundo é parte. Ou seja, além de ter participado em todo o negócio, o ex-administrador da SLN não disse a verdade ao Parlamento, o que é considerado grave, uma vez que as Comissões de Inquérito funcionam com a mesma dignidade que os inquéritos da Justiça.
Confrontado pelo Expresso, Loureiro mantém que não mentiu quando disse desconhecer o Excellence. "Disse aquilo de que me lembro", afirmou.

Parece que estamos perante mais uma "campanha negra". O homem não mentiu: esqueceu-se…

sábado, 14 de fevereiro de 2009

FAÇAMOS DE CONTA...

Façamos de conta que todos os jornalistas se chamam Mário Crespo e que têm a coragem de escrever o seguinte:
“Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?). Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo. Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês. Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível. Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro e façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das “melhores posições no Mundo” para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu. Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dos média. Façamos de conta que o “Magalhães” é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que “quem se mete com o PS leva”. Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de “malhar na Direita” (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda). Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por “onde é que eu ia começar” a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal. Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a “falta de liberdade”. E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso. Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos. “

Mário Crespo in JN

SERÁ SÓ COINCIDÊNCIA?


COITADO; ELE NEM SABIA...